Um Dos Maiores Tabus Das Mulheres Mães…


Talvez um dos maiores tabus das Mulheres Mães...
…seja estarem cansadas dos filhos…
Tudo começa numa ideia social e colectivamente aceite de que ser mãe é ficar escravizada para sempre aos filhos, de que ser mãe é deixar de ser pessoa, para se estar em estado de alerta 24/24 e 365/365.Esta ideia cresce a partir da era industrial em que as migrações para as cidades foram em massa, desertificando aldeias e desmembrando comunidades, pondo todo o peso da criação dos filhos nas mulheres, que começaram a ficar sozinhas – os homens iam para a guerra ou trabalhar, ou a sentirem-se sozinhas, porque quando os companheiros regressavam, só queriam descansar; endeusou-se o papel de mãe; Mãe é um arquétipo multiplicado em vários tipos: A Mãe Boa, a Mãe Má, a Mãe Vampira, a Mãe Companheira, a Mãe Bruxa…
Antes do século XX, o papel de mãe era dividido nas tribos, aldeias e comunidades, com outras mulheres e mães, e assim não sentiam o desgaste e a exaustão de se querer ser a “Mãe Perfeita”.
Sempre fomos uma sociedade matriarcal, apesar de fingirmos que são os homens que comandam; hoje em dia o papel de mãe está desgastado e bolorento; as mulheres querem “agarrar” a imagem da perfeição e não se adaptaram; muitas delas (muitas mesmo)têm relutância em pedir ajuda, e ou “acham” que os companheiros nunca estão à altura, que trocam tudo ou fazem tudo imperfeito, ou que se pedirem ajuda a familiares ou amigos,aqueles vão pensar que são “más mães”; acham-se insubstituíveis nas suas funções, e tão perdidas que ficam no “fazer” que se distanciam do SER (serem mais afectivas e menos funcionais); não escrevo sobre as “mães patológicas” (obsessivas, paranóicas ou controladoras). Estou a escrever sobre as Mães que querem fazer parte da “normalidade”!

Imagem relacionada
Imagem da Internet

Não criam espaço para o SER que são, para a pessoa que são na sua natureza animal e emocional. Tornaram-se mães amargas, ressentidas, perdidas e confusas entre papéis domésticos e profissionais e por isso muitas vezes o seu segredo mais íntimo e recalcado é arrependerem-se de terem tido filhos… e não contam isto nem à própria sombra, e quando estes sentimentos e pensamentos aparecem no desespero, encafuam-no de novo nas caves da psique! Erro crasso!... isso vai continuar lá até ser encarado e resolvido: Alterar-se o conceito de MÃE  e adaptarem-se à realidade que vivem, desistindo de esperar que seja a realidade a mudar para se encaixar no que elas querem.
Escrevo tudo isto, porque testemunho vezes sem conta esta aflição em dezenas de mulheres-mães que me procuram em psicoterapia; claro que este submundo não é a primeira queixa nem o primeiro sintoma; as queixas aparecem com quadros depressivos, de desnutrição afectiva e solidão existencial, e um dos primeiros passos é pôr este tipo de pensamentos e sentimentos na consciência, à luz do dia, para ser entendido e trabalhado e o que acontece é que se tornam em pensamentos orientadores e pacíficos: encontrar o seu espaço interno e externo para ser pessoa, que já existia antes de se ser mãe.

Resultado de imagem para tired mother
Imagem da Internet

Deixo aqui algumas das orientações práticas que costumo dar às minhas pacientes:
1 – Retome uma actividade que adorava, antes de ter tido filhos
2 – Semanalmente crie um espaço (em casa ou noutro sítio) onde possa estar sozinha sem ninguém que a solicite, ou com uma amiga, com quem possa ter conversas leves, quiçá até fúteis, aquelas conversas que são “coisa de mulheres”
3 – Exponha regras e limites no seu tempo em casa, para não ser perturbada nem interrompidas de x em x minutos pelas “crias”
4 – Encontre grupos de mulheres que se reúnam para partilharem experiências e saberes, que se apoiem mutuamente; se não encontrar nenhum grupo perto da sua residência ou local de trabalho…crie um!
5 – Pense na possibilidade de escolher uma Mentora em assuntos de Parentalidade Responsável: alguém mais velha que a possa orientar em encontros periódicos, nas suas dúvidas e questões

Resultado de imagem para women circles
Imagem da Internet
Como trabalho interior, recomendo que:
a) Reveja crenças obsoletas da sua família quanto ao tema Maternidade e exercício da Maternidade
b) Desafie essas crenças e ponha-as em causa se ainda fazem sentido na realidade em que vive
c) Desista de ter vergonha de pensar e sentir que precisa de estar “consigo mesma”, sem solicitações permanentes
d) Cuide das suas emoções e do seu bem estar, tendo consciência de que é impossível “passar” serenidade e alegria quando se está ressentida e exausta
e) Lembre-se de que antes de ser mãe e cuidadora de família, você é PESSOA e que há necessidades básicas de equilíbrio, que só você pode dar a si própria.
Deixe-me saber o que pensa sobre este tema tão “delicado” que é o desgaste de se ser mãe, assim como se tem alguma “ferramenta” extra que me possa indicar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Onze Minutos Do Seu Dia

Ajudar Sim, Mas Da Forma Eficaz!